Artigos

Resumo:

Este artigo tem como objetivo apresentar a importância de um plano de negócios, para a projeção de uma nova empresa, ou mesmo para o estudo de uma ideia empreendedora. Muitas pessoas planejam-se para montar seu primeiro negócio, outras querem expandir suas empresas para outro campo de atuação e, nesses casos, muitas não sabem por onde começar. Através desse artigo, queremos alcançar essas pessoas e norteá-las em sua jornada, apresentando os benefícios e desafios em relação à criação de um Plano de Negócios, os componentes desse plano e guiando-as também para uma futura leitura sobre o assunto.

 

 

           O Plano de Negócios é uma ferramenta fundamental para quem deseja abrir um novo negócio ou expandir sua empresa¹. Ele permite analisar a viabilidade da implantação de um novo negócio, bem como identificar oportunidades de mercado e verificar o risco e os retornos financeiros do projeto. Segundo Biagio e Batocchio (2005) o plano de negócios minimiza os riscos e oferece subsídios para a tomada de decisão e para o desenvolvimento das estratégias que nortearão a organização.

              Os empreendedores devem estar cientes de que abrir um novo negócio sempre oferece riscos, por esse motivo que o plano de negócios é essencial, ele é capaz de adiantar questões que poderiam acontecer na prática e inclusive preparar os gestores para os principais desafios do negócio. Além disso, o plano de negócios é fundamental para quem conta com financiamento de terceiros. Bangs Jr (2006) compartilha da mesma visão ao afirmar que um plano de negócios detalhado pode atender plenamente as exigências de informações da maioria dos financiadores.

               O Plano, por considerar diversas variáveis, é complexo e necessita de tempo para o seu desenvolvimento, pois serão necessárias pesquisas de mercado e projeções financeiras. É interessante elaborá-lo em conjunto com um profissional, pois seu know how trará benefício nas questões técnicas do plano. Porém, o inverso não é recomendado, o próprio idealizador é quem deve liderar a criação do plano.  Ainda segundo Bangs Jr (2006), o plano apenas beneficiará seu idealizador se este entendê-lo em sua totalidade, e este tipo de envolvimento só é possível se for desde o início. Caso o idealizador não tenha formação na área, é recomendado que leia sobre o assunto e sobre os itens que compõem o plano².

Os autores de plano de negócio se convergem quanto à estrutura deste. Como sugestão um plano de negócio pode ser estruturado com os seguintes capítulos: Sumário executivo, norteadores estratégicos, plano operacional, análise de mercado e da concorrência, análise estratégica da empresa, plano de marketing e plano financeiro. Assim, um plano de negócios bem desenvolvido apresentará toda a análise interna da empresa como seu modelo de negócio, infraestrutura e quadro de pessoal; análise da concorrência, pontos fortes e fracos; análise do mercado, tanto quantitativo como de forma qualitativa; estratégias empresariais para os 5 anos e uma completa análise financeira que apresentará PAYBACK, TIR, VPL, as projeções de balanço e DRE.

            Como apresentado, o plano de negócios oferece diversos benefícios a empresários e empreendedores, como o estudo do modelo de negócio, da sua viabilidade, além de ser fundamental na implementação. Além disso, ele também capacita o gestor, uma vez que este compreende melhor o mercado de atuação e compreende os desafios que estão por vir. É importante enfatizar que a construção desse plano é gradual, exige dedicação e tempo. Para que o plano seja desenvolvido de forma completa, atendendo também aos requisitos técnicos, é recomendado que este seja estruturado em conjunto com um especialista ou que conte com sua monitoria durante o seu desenvolvimento.

 

 

 

 

 

¹ Dependendo o caso, o plano a ser realizado é o plano estratégico, bastante semelhante em seu princípio.

 

² Sugestões de leituras:

ASSAF NETO, Alexandre. Finanças corporativas e valor. São Paulo: Atlas, 2010. 

BIAGIO, Luiz Arnaldo; BATOCCHIO, Antônio. Plano de Negócios: estratégia para micro e pequenas empresas. Barueri: Manoele, 2005. 

BORN, Roger. Construindo o Plano Estratégico: cases reais e dicas práticas. Porto Alegre: ESPM/Sulina, 2007.

CHIAVENATO, Idalberto; SAPIRO, Arão. Planejamento Estratégico: fundamentos e aplicações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. 

KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de Marketing. São Paulo. Pearson, 2007.

GITMAN, Lawrence Jeffrey. Princípios de administração financeira. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2004. 

LOVELOCK, Christopher H.; WIRTZ, Jochen. Marketing de serviços: pessoas, tecnologia e resultados. São Paulo: Pearson, 2006. 

PORTER, Micael E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústria e da concorrência. Rio de Janeiro: Elsevier, 1986. 

OSTERWALDER, Alexander; YVES Pigneur. Business model generation: a handbook for visionaries, game changers, and challengers. New Jersey: John Wiley ans Sons, Inc, 2010. 

WESTWOOD, John. Como preparar um plano de marketing. São Paulo: Clio Editora,

1996. 

WRIGHT, Peter; KROLL, Mark J.; PARNELL, John. Administração Estratégica: conceitos. São Paulo: Atlas, 2000. 

ZEITHAML, Valarie; BITNER, May J. Marketing de serviço: a empresa com foco no cliente. Porto Alegre: Bookman, 2008. 

 

Referências Bibliográficas:

BIAGIO, Luiz Arnaldo; BATOCCHIO, Antônio. Plano de Negócios: estratégia para micro e pequenas empresas. Barueri: Manoele, 2005.

BANGS JR, DAVID H. Guia prático: planejamento de negócios. São Paulo: Nobel, 2006.

Nossos artigos tem como objetivo trazer conteúdos de mercado, técnicos e teóricos em uma linguagem acessível e objetiva a fim de proporcionar mais conhecimento aos leitores e interessados na área.

Plano de negócios, o estudo de viabilidade de uma grande ideia

BRAVO BUSINESS

CONSULTORIA ESPECIALIZADA EM EXPANSÃO E NOVOS NEGÓCIOS

Bravo Business, consultoria em Porto Alegre
MAPA DO SITE

AV. CARLOS GOMES, 1000 / 502

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL

Todos os Direitos Reservados, Copyrights 2020